Dílson Catarino – Página: 51 – Gramática On-line
1 de março de 2014

Das sequências consonânticas

Pode-se escrever aspecto e aspeto, cacto e cato, caracteres e carateres, dicção e dição; facto e fato, sector e setor, ceptro e cetro, concepção e conceção, corrupto e corruto, recepção e receçâo
1 de março de 2014

Da homofonia de certos grafemas consonânticos

Dada a homofonia existente entre certos grafemas consonânticos, torna-se necessário diferençar os seus empregos, que fundamentalmente se regulam pela história das palavras. É certo que a variedade das condições em que se fixam na escrita os grafemas consonânticos homófomos nem sempre permite fácil diferenciação dos casos em que se deve empregar uma letra e daqueles em que, diversamente, se deve empregar outra, ou outras, a representar o mesmo som.
1 de março de 2014

Do H inicial e final

Emprego da letra H no início e no final de palavras.
1 de março de 2014

O alfabeto da Língua Portuguesa

O alfabeto da língua portuguesa é formado por vinte e seis letras, cada uma delas com uma forma minúscula e outra maiúscula
1 de março de 2014

Uniformidade de tratamento

Uniformidade de tratamento consiste em concordar os pronomes e o verbo com o tratamento destinado aos interlocutores.
1 de março de 2014

Pronomes interrogativos

São os pronomes que, quem, qual e quanto usados em frases interrogativas diretas ou indiretas.
1 de março de 2014

Pronomes indefinidos

Os pronomes indefinidos referem-se à terceira pessoa do discurso de uma maneira vaga, imprecisa, genérica.
1 de março de 2014

Pronomes demonstrativos

Pronomes demonstrativos são aqueles que situam os seres no tempo e no espaço, em relação às pessoas do discurso.