Orações coordenadas – Gramática On-line

Tudo o que você precisa saber sobre
Gramática está aqui!

Orações subordinadas substantivas
20 de junho de 2018
Termos acessórios da oração
9 de agosto de 2018

Orações coordenadas

 Período Composto por Coordenação

O período composto por coordenação é formado por orações coordenadas, que são orações independentes sintaticamente, ou seja, não há relação sintática alguma entre as orações do período. As orações coordenadas, portanto, não exercem função sintática em relação a outra oração do período.

 

Há dois tipos de orações coordenadas:

 

1) Orações Coordenadas Assindéticas:

 

São as orações não iniciadas por conjunção coordenativa.

 

– Chegou a casa, tirou a roupa, banhou-se, foi deitar-se.

 

Observe que as orações são independentes sintaticamente, e nenhuma é iniciada por conjunção.

 

2) Orações Coordenadas Sindéticas:

 

São cinco as orações coordenadas sindéticas, que são iniciadas por uma conjunção coordenativa. Uma oração coordenativa sindética estabelece uma relação de sentido com a situação apresentada na outra oração:

 

A) Aditiva: Estabelece uma relação de soma, de adição.

Conjunções: e, nem, mas também, mas ainda.

 

– Não só reclamava da escola, mas também atrapalhava os colegas.

  

Obs.1: As orações coordenadas sindéticas aditivas não são isoladas por vírgula, a não ser quando os sujeitos de ambas as orações forem diferentes ou quando a conjunção tiver valor adversativo ou ainda quando a conjunção estiver repetida:

 

– “Toda a casa era um corredor deserto, e até o canário ficou mudo.” (sujeitos diferentes)

– Estudou muito, e não conseguiu a aprovação. (valor adversativo)

– Ela gritava, e ria, e chorava, e se esperneava. (conjunção repetida)

 

B) Adversativa: Estabelece uma relação de oposição, de ideia contrária à da outra oração. As orações coordenadas sindéticas adversativas sempre são isoladas por vírgula, estejam no início do período, no meio ou no fim dele.

Conjunções: e, mas, porém, todavia, no entanto, entretanto, contudo.

 

– Sempre foi muito estudioso, no entanto não se adaptava à nova escola.

– Estudei tanto, e não fui aprovado.

 

Observe, nessa última oração, que a conjunção e não é aditiva, pois ela estabelece uma relação de oposição entre as orações. Por isso a vírgula separando as orações.

Obs.2: O vocábulo “nem” nem sempre é conjunção; pode ser também advérbio que significa “não; sequer, ao menos”.

No trecho “nem sempre”, há o advérbio “nem” com o sentido de “não”. É advérbio, pois modifica outro advérbio – sempre.

 Observe as seguintes frases:

1. Viu o carro deslizando na sua direção, e não se mexeu do lugar.

A conjunção “e” é adversativa, com o valor de “mas” – Viu o carro deslizando na sua direção, mas não se mexeu do lugar -, por isso há a vírgula antes de “e”. Há também, na frase, o advérbio “não“, que modifica a locução verbal “fui aprovado“. Ele pode ser substituído por “nem”:

Viu o carro deslizando na sua direção, e nem se mexeu do lugar.

2. Não trabalhava e não ajudava a esposa nos afazeres domésticos.

A conjunção “e” é aditiva, por isso não há vírgula separando as orações. Há também o advérbio “não”, que modifica o verbo “ajudava“. Ele não pode ser substituído por “nem“. O que será substituído por “nem” é a locução “e não“.

Quando houver a conjunção “e” aditiva junto do advérbio de negação “não“, ambos são substituídos por “nem“, também conjunção aditiva:

Não trabalhava nem ajudava a esposa nos afazeres domésticos.

C) Alternativa: Estabelece uma relação de opção, de escolha, de alternância.

Conjunções: ou, ou…ou, ora… ora, quer… quer.

 

– Estude, ou não sairá nesse sábado.

 

D) Conclusiva: Estabelece uma relação de conclusão da ideia contida na outra oração.

Conjunções: logo, então, portanto, por isso, por conseguinte, pois (esta, após o verbo ou entre vírgulas). As orações coordenadas sindéticas conclusivas sempre são isoladas por vírgula, estejam no início do período, no meio ou no fim dele.

 

– Estudou como nunca fizera antes, por isso conseguiu a aprovação.

 

E) Explicativa: Estabelece uma relação de explicação. As orações coordenadas sindéticas explicativas sempre são isoladas por vírgula, estejam no início do período, no meio ou no fim dele.

Conjunções: porque, que, pois (antes do verbo).

 

– Conseguiu a aprovação, pois estudou como nunca fizera antes.

– Não corra, que o piso está escorregadio.

 

Muito cuidado com a conjunção pois, pois ela pode ser explicativa ou conclusiva. Quando for explicativa, ficará entre as duas orações, que serão separadas por vírgula:

 

– O relógio não enferruja, pois é de ouro.

 

A conjunção pois estabelece o sentido de explicação: explica o porquê de o relógio não enferrujar.

 

Quando a conjunção pois for conclusiva, poderá também ficar entre as duas orações, mas entre vírgulas, ou no final do período, com vírgula:

 

– O relógio é de ouro, pois, não enferruja.

– O relógio é de ouro; não enferruja, pois.

 

Em ambas as orações, a conjunção pois estabelece o sentido de conclusão, podendo, então, ser substituída por qualquer outra conjunção conclusiva:

 

– O relógio é de ouro, portanto não enferruja.

– O relógio é de ouro; não enferruja, então.