A maioria dos arrastões em restaurantes é após as 22h. – Gramática On-line

Gramática e Produção de textos
descomplicadas!

Alugam-se casas.
20 de junho de 2018
A cidade reprova no teste da transparência (ou é reprovada?)
20 de junho de 2018

A maioria dos arrastões em restaurantes é após as 22h.

A MAIORIA DOS ARRASTÕES EM RESTAURANTES É APÓS AS 22H.

Lendo um jornal de circulação nacional, deparei com a frase apresentada, que certamente será julgada estranha por muitos leitores interessados pela Gramática da Língua Portuguesa. Ela, porém, está perfeitamente adequada à língua-padrão. O estranhamento pode ocorrer porque há três elementos causadores incessantes de dúvidas aos estudantes e estudiosos do nosso idioma e também a muitos professores e pesquisadores. Vejamos o que ocorre:

 

Quando uma frase for construída com sujeito representado por expressão partitiva, formada por termos que indicam parte de um todo, como “parte de, metade de, uma porção de, a maioria de, grande parte de, a minoria de”, dentre outras, o verbo tanto poderá ficar no singular, concordando com a palavra partitiva – “parte, metade, porção, maioria, minoria” – quanto com o termo plural que vier à sua frente. São adequadas, portanto, as seguintes frases:

 

– Parte dos prisioneiros se rebelou.

– Parte dos prisioneiros se rebelaram.

– Metade dos alunos não se preparou.

– Metade dos alunos não se prepararam.

– Grande parte deles ainda passa fome.

– Grande parte deles ainda passam fome.

 

A frase apresentada como título da coluna – “A maioria dos arrastões em restaurantes é após as 22h” também poderia ser escrita assim: “A maioria dos arrastões em restaurantes são após as 22h”. Julgo que a concordância mais elegante seja a que conjuga o verbo no singular.

 

Os bons dicionários apresentam vários significados para o verbo “ser”, dentre eles o usado na frase apresentada: “apresentar-se como fato, dar-se, ocorrer, acontecer, suceder”. A frase, no entanto, ficaria mais apurada (esmerada, requintada, elegante) se um desses verbos fosse usado no lugar de “ser”. Não que este esteja errado, mas tem menos refinamento gramatical que os demais verbos.

 

Um jornal opta pelo uso do verbo “ser” por ser menor, e sabe-se que o espaço num jornal é essencial. Melhor seria, portanto, escrever o seguinte:

 

– A maioria dos arrastões em restaurantes ocorre após as 22h.

 

Outros exemplos:

 

– A festa acontecerá nesse sábado.

– A final do Mundial de Clubes se dará em novembro.

– O sorteio da Mega-Sena sucedeu às 22h.

 

Observe que na última frase do parágrafo anterior foi usado o acento indicador de crase, cujo nome é acento grave. A frase do jornal, porém, está sem tal acento. Está, então, inadequada? Não, não está. São duas regras distintas: Vejamos o que ocorre:

 

Usa-se o acento grave quando houver a junção da preposição “a” com o artigo definido feminino singular “a” ou plural “as”. Por exemplo: o verbo “obedecer” exige a preposição “a”, pois “Quem obedece, obedece a algo / a alguém”. Se o termo que representa o elemento obedecido for feminino, ocorrerá o acento grave:

 

– Obedeço às regras”.

– Obedecemos às leis.

– Os alunos devem obedecer à professora.

 

Nas indicações de tempo, ocorre, além de outras, a preposição “a”:

 

– Cheguei ao meio-dia.

– Partiremos ao amanhecer.

– Ele chegou ao pôr do sol.

 

Se, então, o termo que representa o tempo for feminino, haverá o acento grave:

 

– Cheguei às 2h.

– Partiremos às 20h.

– Ele chegou às 18h.

 

Como vimos, outras preposições também são usadas na indicação de tempo, como “de, desde, após, até”:

 

– Esperarei das 12h às 14h.

– Estou aqui desde a 1h.

– Chegaremos após as 14h.

– Esperarei até as 20h.

– Esperarei até às 20h.

 

Atente que depois de “desde” e “após” não se usou o acento grave, mas depois de “até”, sim. Por quê? Porque não se usam duas preposições subsequentes, e “desde” e “após” são preposições; logo, não se pode usar a preposição “a” imediatamente após elas. Esse é o motivo de não se usar o acento grave na frase apresentada: “…após as 22h”.

 

A preposição “até”, entretanto, é uma exceção à regra: ela admite, facultativamente, o uso da preposição “a” imediatamente após ela:

 

– Fui até o mercado.

– Fui até ao mercado.

– Irei até a praia.

– Irei até à praia.

– Esperarei até as 20h.

– Esperarei até às 20h.