Felipão pode pedir que Neymar force o segundo cartão amarelo. – Gramática On-line

Gramática e Produção de textos
descomplicadas!

Foi assistido é inadequado.
20 de junho de 2018
Havia 22 anos que o Londrina não conquistava o Campeonato Paranaense.
20 de junho de 2018

Felipão pode pedir que Neymar force o segundo cartão amarelo.

            Numa publicação jornalística, havia a seguinte frase: “Felipão pode pedir para Neymar forçar segundo cartão contra o México”. Observe, porém, que essa frase foi reescrita de maneira diferente no título de nossa coluna. Por quê? Vejamos a explicação:

 

O comportamento sintático do verbo pedir é um pouco diferente do da maioria dos verbos, que admite a redução da oração que funciona como seu complemento ou sujeito. Por exemplo, a banda Legião Urbana, que tanto sucesso fez nas décadas de 80 e 90, cantava “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”, que é a redução de “É preciso que se amem as pessoas como se não houvesse amanhã”. Houve a retirada da conjunção integrante que e a colocação verbo amar no infinitivo. É o que denominamos de redução de uma oração.

 

O verbo pedir só admite essa redução, com a intercalação da preposição para entre pedir e o outro verbo no infinitivo, quando houver subentendida a palavra licença, autorização ou permissão. Em nenhum outro caso deve interpor-se tal preposição entre pedir e a outra oração, que funciona como complemento direto. Por exemplo: “Pedi que retomassem a discussão”, e não “Pedi para retomarem a discussão”; “O gerente pediu que seu assessor levasse os documentos até sua mesa”, e não “O gerente pediu para que seu assessor levasse os documentos até sua mesa”.

 

Observe, porém, estas frases: “Pedi para retomar a discussão”; “O assessor pediu para levar os documentos até a mesa do gerente”. Essas estão adequadas ao padrão culto, pois há subentendida a palavra licença, autorização ou permissão: “Pedi (licença) para retomar a discussão”; “O assessor pediu (permissão) para levar os documentos até a mesa do gerente”.

 

Uma frase ficou bastante famosa no Brasil, devido ao filme “Tropa de Elite”, em que o Capitão Nascimento falava a seus subordinados: “Pede pra sair!”. Adequada, pois ele poderia dizer “Pede autorização para sair!”.

 

Esse é um assunto um tanto polêmico, pois há gramáticos que já admitem a interposição da preposição entre o verbo pedir e seu complemento. Fazem isso, porém, para aproximar a língua ao falar da população em geral, o que fere as normas da língua padrão. Veja o que dois baluartes da Gramática da Língua Portuguesa dizem sobre isso:

 

Napoleão Mendes de Almeida, em seu Dicionário de Questões Vernáculas: “Conquanto haja exemplos que se afastam desse procedimento, quem constrói de acordo com a sintaxe exposta redige rigorosamente bem; construções com o verbo pedir, quando o objeto é oracional, devem ter o que ligado diretamente ao verbo; a interposição da preposição para não se justifica, e os que pretendem defender essa construção recorrem a estratagemas cruciantes para a inteligência”.

 

Francisco Fernandes em seu Dicionário de Regência Verbal: “A maioria dos gramáticos tacha de viciosa a construção pedir para fazer alguma coisa e somente admite pedir para quando for possível subentender uma das palavras licença, permissão, autorização, vênia, etc. Não obstante, é comum encontrar, em escritores de boa nota, exemplos da construção condenada, como Herculano, Garret, Camilo, Machado”.

 

O fato de encontrar exemplos em textos de grandes escritores não justifica a utilização da expressão como adequada, pois a eles existe a licença poética, que lhes permite desviar-se da norma culta em poesias, contos, romances, etc. Ao jovem vestibulando, àquele que se submeterá a um concurso e aos que se interessam pela comunicação adequada aconselha-se que se siga tão somente a norma padrão.