Ministro garante rentabilidade do trigo. – Gramática On-line

Gramática e Produção de textos
descomplicadas!

Eu sei que vou te amar…
20 de junho de 2018
Comprei doze rosas rosa.
20 de junho de 2018

Ministro garante rentabilidade do trigo.

 

Existe uma matéria do âmbito escolar denominada de Regência, que pode ser verbal ou nominal: aquela quanto aos verbos; esta quanto aos substantivos, adjetivos e advérbios. É o estudo que concerne ao uso ou não de uma preposição diante do elemento regente – o verbo, o substantivo, o adjetivo ou o advérbio – em relação ao elemento regido. É o que chamamos de, gramaticalmente, regência verbal, quando se trata de verbo, e de regência nominal quando se trata de substantivo, de adjetivo e de advérbio. É necessário o uso de um bom dicionário de regência verbal e de outro de regência nominal para saber qual preposição (ou quais) é possível usar com determinado verbo, substantivo, adjetivo ou advérbio para que este estabeleça uma relação com seu elemento regido.

 

Um bom exemplo é o do substantivo “amor”, pois, de acordo com os bons dicionários de regência nominal, tanto se pode usar amor de algo/alguém, quanto amor a, para ou para com algo/alguém ou ainda amor por algo/alguém, depende do significado que se queira, ou se necessite, dar à frase.

 

Alguns substantivos e adjetivos trazem grandes dificuldades a quem quer escrever um texto impecável. Sem uma boa pesquisa, o autor da frase acaba cometendo inadequações gramaticais imperceptíveis a ele e ao leitor incauto. Por exemplo, observe a frase apresentada no título de nossa coluna:

 

– Ministro garante rentabilidade do trigo.

Imagine se estivesse escrito “… rentabilidade ao trigo”. Haveria diferença? Os leitores interpretariam a frase diferentemente? Acredito que não. Se um jornal colocasse tal frase como manchete, certamente o leitor entenderia a mensagem independentemente da preposição usada:

 

– Ministro garante rentabilidade do trigo.

– Ministro garante rentabilidade ao trigo.

 

Ambas as frases trariam o mesmo resultado concernentemente ao significado: “o trigo vai render mais”. Não é o que ocorre, porém, quanto ao significado que cada preposição dá à frase. Vamos à explicação:

 

Alguns substantivos que indicam posse de um elemento sobre outro exigem a preposição “de” exatamente para indicar isso: casa de Pedro, campo de trigo, estado do Paraná, etc.

Em outros casos, porém, a preposição “de” serve para indicar que há um elemento agente sobre outro, o paciente, ou seja, que há um elemento que pratica uma ação sobre determinado elemento. Ocorre, entretanto, que a preposição “a” também indica o mesmo. A diferença está em o elemento ser agente ou paciente. Por exemplo, observe as seguintes frases:

 

– A solidariedade das entidades assistenciais às comunidades carentes.

– A solidariedade às entidades assistências das comunidades carentes.

 

Qual a diferença de sentido?

A preposição “de”, diante de um substantivo abstrato que denota ação, traz o significado de elemento agente, ou seja, a preposição “de”, posterior a um substantivo abstrato, indica que o elemento regido age sobre determinado elemento, que será regido pela preposição “a”. Esta preposição, por sua vez, diante do mesmo substantivo abstrato, indica que o elemento sofre ou recebe a ação praticada por outro.

O substantivo “solidariedade” é abstrato, pois indica a característica de quem é “solidário” (Todo substantivo que indica a característica de um adjetivo é abstrato). A preposição “de” diante do substantivo “solidariedade”, portanto, indica que o elemento regido pratica a ação; já a preposição “a” indica que o elemento regido sofre ou recebe tal ação. O significado, portanto, das frases apresentadas é o seguinte:

 

– A solidariedade das entidades assistenciais às comunidades carentes. (As entidades assistenciais se solidarizam com as comunidades carentes.)

– A solidariedade às entidades assistências das comunidades carentes. (As comunidades carentes se solidarizam com as entidades assistenciais.)

 

A frase apresentada no título não poderia, portanto, ser apresentada com a preposição “a”, pois não teria o significado pretendido. Observe bem:

 

– Ministro garante rentabilidade (de algo/alguém) ao trigo.

Significaria que algo/alguém renderia, ou seja, traria lucro ao trigo.

 

– Ministro garante rentabilidade (a algo/alguém) do trigo.

Significaria que o trigo traria lucro a algo/alguém.

 

Lógico está que a segunda frase é a pretendida:

 

– Ministro garante rentabilidade (a algo/alguém) do trigo.

Ou seja, o trigo trará rentabilidade a alguém.