Nós pega o peixe. – Gramática On-line

Gramática e Produção de textos
descomplicadas!

A presidenta, sim!
20 de junho de 2018
Os nomes das posições dos jogadores de futebol
20 de junho de 2018

Nós pega o peixe.

A polêmica da vez é o livro Por uma vida melhor, de Heloísa Ramos, suspeito de apresentar erros gramaticais. Os precipitados condenaram-no sem ao menos ler o capítulo que traz a questão que suscitou a divergência. Alguns já dizem que agora o erro é permitido já que o Ministério da Educação distribui tal livro às escolas públicas pelo Programa do Livro Didático.

 

Antes de emitir a minha opinião, fui à busca do livro, cujo Capítulo 1 se denomina Escrever é diferente de falar. A autora já deu a dica aos alunos que estudarem por ele: ao escrever um texto, o método utilizado é diferente do usado para falar. A autora escreve as seguintes frases: “A língua escrita não é o simples registro da fala”; “… a escrita possui muitas convenções. Ela precisa ser mais contínua, sem os cortes repentinos da fala e mais exata…”; “…a língua escrita (..) exige um aprendizado formal”; “… mesmo que uma ou outra atividade de escrita lhe ofereça dificuldade, você deve empenhar-se ao máximo para realizá-la. Procure reler e revisar o que foi escrito, e, quando necessário, passe o texto a limpo. No começo, você pode achar difícil, mas os resultados compensarão”, escreve a autora.

 

Observe que ela defende o aprendizado sistematizado da língua para a prática da escrita. Quem quer escrever adequadamente, tem de aprender as convenções da língua, que é exata; tem de se empenhar ao máximo para conseguir os resultados esperados. Esse não é um discurso de quem intenciona ensinar o erro. Ocorre, porém, que ela trata da escrita, não da fala. Com a fala, a ‘conversa’ é outra.

 

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.

 

O Capítulo 1 trata do que chamamos de variação linguística (Todos os livros e apostilas sérios tratam desse assunto também; eu mesmo já escrevi sobre isso). A autora explica que existem “variações regionais, próprias de cada região do país” e sociais: “as classes sociais menos escolarizadas usam uma variante da língua diferente da usada pelas classes sociais que têm mais escolarização”. Esta é a variedade culta; aquela, a popular. Explica ainda que “as duas variantes são eficientes como meios de comunicação”, mas que há “um preconceito social em relação à variante popular”. “Esse preconceito não é de razão linguística, mas social. Por isso, um falante deve dominar as diversas variantes porque cada uma tem seu lugar na comunicação cotidiana”, conclui.

 

Como vimos, a autora prega o conhecimento de todas as variantes – inclusa aí a variante culta – para se comunicar adequadamente. Aqueles que a condenaram precocemente, fizeram-no sem conhecimento algum de seu trabalho. Os humoristas de plantão, que ironizaram as frases apresentadas no livro, deveriam ler o capítulo todo, não somente as frases soltas, fora do contexto apresentado por ela.         

 

REGRAS DA MODALIDADE ESCRITA.

 

Assim que termina a teoria do Capítulo 1, o livro parte para a prática: é apresentado um texto produzido por um aluno, no qual há algumas falhas. Ela afirma o seguinte sobre o texto apresentado: “… é preciso que se apliquem algumas regras da modalidade escrita, como as que serão vistas”. E ensina ao estudante o uso adequado do ponto-final e dos pronomes ele(s), ela(s), o(s), a(s) e suas variantes e lhe(s). Diz ainda que é comum, na linguagem informal, o emprego de ele e ela no lugar de o e de a, mas afirma que na norma culta o adequado é “Minha irmã viu-o” no lugar de “Minha irmã viu ele”. Ela não defende o erro, mas sim o corrige!

 

A maior crítica dos ‘entendidos no assunto’ se situa no que vem a seguir: A autora ensina que as palavras acompanhantes devem ser escritas no mesmo gênero e número que as palavras centrais e que o verbo concorda em número e pessoa com o ser envolvido na ação que ele indica. Diz, porém, que essa relação ocorre na variante culta e que, na variante popular, a concordância acontece de maneira diferente, apresentando os seguintes exemplos: “Os livro ilustrado mais interessante estão emprestado”; “Nós pega o peixe”; “Os menino pega o peixe”.

 

PRECONCEITO LINGUÍSTICO.

 

Essas frases exemplificam a variante popular, não a norma culta. Isso ela deixa bem claro. O livro diz ainda que o “falante tem de ser capaz de usar a variante adequada da língua para cada ocasião”. E, para terminar a discussão, são apresentados exercícios aos alunos, nos quais eles devem usar os pronomes convenientes a cada situação e nos quais devem “corrigir” erros gramaticas e reescrever palavras de acordo com as regras gramaticais.

 

Heloísa Ramos não diz que o erro está certo, mas que existem vários modos de falar e que há preconceito linguístico no Brasil. Alguém duvida disso? Quem nunca se pegou ‘corrigindo’ alguém que diz “Ela está meia cansada”, “Não deu pra mim ir”, “Tem menas gente lá”? O livro mostra alguns exemplos de como grande parte dos brasileiros usa a língua e propõe que o falante, quando necessário, use a norma culta. O resto é “achologia” de quem não conhece a obra.