Os bons livros entretêem as crianças? Errado! – Gramática On-line

Gramática e Produção de textos
descomplicadas!

Estou em convalescença.
20 de junho de 2018
Tonicidade
20 de junho de 2018

Os bons livros entretêem as crianças? Errado!

  

           Essa frase consta de um fôlder (Com acento, segundo o Volp) de propaganda de uma livraria. A intenção é boa, mas a falha gramatical desensina os que leem a frase. Mas, será que todos veem a inadequação? Certamente não, já que poucos estudam nosso idioma com a intenção de aprender de fato; os demais creem que a frase esteja adequada ao padrão culto, uma vez que a comunicação foi eficaz, ou seja, quem ler o fôlder, entenderá a mensagem.

 

Os interessados em falar adequadamente, porém, devem saber que só se duplica o E, sem acentuar essas formas, na terceira pessoa do plural (eles) do presente do indicativo (Tempo caracterizado pela frase Todos os dias…) dos verbos crer, ler ver e na terceira pessoa do plural do presente do subjuntivo (Tempo caracterizado pela frase Espero que…) do verbo dar e dos derivados desses quatro verbos: descrer, reler, antever, desdar… Por exemplo:

 

Vocês creem em mim?
Eles leem poucos livros.
Eles se veem todos os sábados.
Espero que vocês se deem bem na vida.

 

Já na conjugação dos verbos ter e vir e seus derivados não ocorre tal duplicação. Na terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos ter e vir, coloca-se acento circunflexo sobre o E:

 

Eles têm; eles vêm.

 

Isso ocorre para diferençar o singular do plural:

 

Ele tem; ele vem.

 

Os derivados de ter e de vir, além de terem o acento circunflexo no plural, têm acento agudo no singular, em virtude de formarem uma palavra oxítona terminada em -EM (Todas as palavras terminadas em -EM cuja última sílaba seja mais forte que as demais recebem acento agudo no -EM:

 

armazém, neném, também, amém, ele retém, ele mantém, ela se entretém, ele desavém.

 

Mas, como saber se um verbo é derivado de ter ou de vir? Simples: conjugue-o na primeira pessoa do singular (eu) do presente do indicativo; se esta estrutura verbal for terminada em –tenho, o verbo será derivado de ter; se for terminada em -venho, será derivado de vir. Por exemplo:

 

Eu retenho – ele retém – eles retêm
Eu mantenho – ele mantém – eles mantêm
Eu obtenho – ele obtém – eles obtêm
Eu intervenho – ele intervém – eles intervêm
Eu advenho – ele advém – eles advêm 
(advir significa surgir como consequência)
Eu desavenho – ele desavém – eles desavêm
 (desavir significa brigar)

 

A frase apresentada contém o verbo entreter, derivado de ter, já que eu entretenho. Ela deveria, então, ser assim escrita:

 

Os bons livros entretêm as crianças.