Promoção para todas as idades. – Gramática On-line

Gramática e Produção de textos
descomplicadas!

Comprei doze rosas rosa.
20 de junho de 2018
Os gaviões da Fiel. E as mulheres? Gaviãs ou gavioas?
20 de junho de 2018

Promoção para todas as idades.

 

Alguns estudantes se equivocam no entendimento da regra quanto ao uso do artigo posteriormente aos pronomes indefinidos todos e todas. Julgam que, sempre que se utilizarem esses pronomes, o artigo seja obrigatório. Não é bem assim. Deve-se usar o artigo somente quando o termo seguinte ao pronome o exigir. Se houver substantivo, haverá artigo; se houver pronome pessoal ou de tratamento, não o haverá. Por exemplo:

 

– Todos os alunos devem seguir as regras.

 

Há o uso do artigo pela utilização do substantivo “alunos”, que o exige: os alunosTodos os alunos.

 

– Todos eles devem seguir as regras.

 

Não há o uso do artigo porque o pronome pessoal “eles” não o exige: eles – Todos eles.

 

A frase apresentada, então, tem de ter o artigo porque há o substantivo “idades”, que o exige: as idadesTodas as idades.

 

E se o pronome estiver no singular – todo ou toda?         A regra é a mesma? Não! Quando houver o pronome todo ou toda, há de se analisar o sentido que se quer dar à frase. Se houver o sentido de totalidade e à frente do pronome surgir um substantivo que exija artigo, este tem de ser utilizado. Se houver sentido genérico, não se deve usá-lo mesmo que o substantivo posterior o exija. Por exemplo:

 

– Todo o país se alegrou com a vitória de Hélio Castroneves.

O sentido dessa frase é o de que o país inteiro se alegrou, por isso o uso do artigo: O país todo – Todo o país.

 

– Todo país deveria investir bastante em esporte.

O sentido dessa frase é o de que todos os países deveriam investir em esporte; tem, portanto, sentido genérico: Todos os países – Todo país.

 

Se, à frente do pronome, houver uma palavra que não exija artigo, mesmo que seja um substantivo, ele não deverá ser utilizado ainda que o sentido seja de totalidade. Por exemplo:

 

– Todo ele ficou ferido no acidente. = Ele inteiro ficou ferido.

Não se usou o artigo porque o pronome ele não o exige: Ele todo – Todo ele.

 

– Todo Portugal se alegrou com a vitória da sua Seleção. = Portugal inteiro se alegrou….

Não se usou o artigo porque o substantivo Portugal não o exige: Portugal todo – Todo Portugal.

 

Se fosse o substantivo Brasil, haveria o artigo:

 

– Todo o Brasil se alegrou com a vitória de sua Seleção. = O Brasil inteiro se alegrou…

O substantivo Brasil exige o uso do artigo: O Brasil todo – Todo o Brasil.

 

O leitor atento deve ter observado que, na frase em que usei Portugal, escrevi “da sua Seleção” e que na em que usei Brasil, “de sua Seleção”. Por quê? Porque, quando se usar um pronome possessivo [meu(s), minha(s), teu(s), tua(s), seu(s), sua(s), nosso(s), vosso(s)], se ele acompanhar substantivo, o artigo será facultativo. Caso não acompanhe substantivo algum, o artigo será obrigatório. Por exemplo:

 

– Não falei de (ou da) sua irmã, e sim da minha.

No primeiro uso de pronome possessivo (sua), o artigo é facultativo, pois o pronome acompanha o substantivo irmã. Já no segundo uso (minha), o artigo é obrigatório, pois o pronome não acompanha substantivo algum.