Vem, jardineira! Vem, meu amor! / Não fiques triste que este mundo é todo teu. – Gramática On-line

Gramática e Produção de textos
descomplicadas!

Se você fosse sincera (…) Veja só que bom que era…
20 de junho de 2018
Vendem-se apartamentos.
20 de junho de 2018

Vem, jardineira! Vem, meu amor! / Não fiques triste que este mundo é todo teu.

Oh! Jardineira, por que estás tão triste? / Mas o que foi que te aconteceu? / Foi a camélia que caiu do galho, / Deu dois suspiros e depois morreu. / Vem, jardineira! Vem, meu amor! / Não fiques triste que este mundo é todo teu. / Tu és muito mais bonita / Que a camélia que morreu.”

Quero ocupar-me, concernentemente a essa letra, do modo verbal a que chamamos de imperativo, que é o uso do verbo para ordem, pedido, conselho ou apelo. Há regras específicas para o uso desse modo verbal, que dependem de como o interlocutor seja tratado. Vejamo-las:

Se a ordem – ou pedido, conselho, apelo – for emitida a um interlocutor apenas, é preciso analisar se este é tratado por “tu” ou por “você”. Caso seja tratado por “tu”, forma-se o imperativo a partir da frase “Todos os dias, tu…”, retirando-se a letra “s” da estrutura verbal. Caso seja tratado por “você”, a partir da frase “Espero que você…”. Peguemos como exemplo, o verbo “falar”:

Se o interlocutor for tratado por “tu”, forma-se o imperativo a partir da frase “Todos os dias tu falas”, retirando-se a letra “s” da estrutura verbal, o que resulta a forma “fala”. Este é o imperativo do verbo “falar” para “tu”:

– Fala a verdade que tu serás recompensado.

O mesmo acontece se os interlocutores forem tratados por “vós”, o que é raro: “Todos os dias vós falais”, retirando-se a letra “s”: “falai”:

– Falai a verdade que vós sereis recompensados.

Se o interlocutor for tratado por “você”, forma-se o imperativo a partir da frase “Espero que você fale”. Este é o imperativo do verbo “falar” para “você”:

– Fale a verdade que você será recompensado.

O mesmo acontece se os interlocutores forem tratados por “nós” ou por “vocês”: “Espero que nós falemos”; “Espero que vocês falem”. Esses são os imperativos do verbo “falar” para “nós” e para “vocês”:

– Falemos a verdade que nós seremos recompensados.

– Falem a verdade que vocês serão recompensados.

 

Observe que os autores, Benedito Lacerda e Humberto Porto, fazem um pedido à jardineira: “Vem, jardineira! Vem, meu amor!”. Eles a tratam pelo pronome “tu”, o que é facilmente percebido pelo uso do verbo “estar”: “… por que estás tão triste…”. O imperativo, portanto, será formado a partir da frase “Todos os dias tu vens”, retirando-se a letra “s” e substituindo-se o “n” por “m”: “vem”. A forma verbal usada por eles está, portanto, adequada. Aliás, toda a composição está adequada gramaticalmente.

Caso a jardineira fosse tratada por “você”, o imperativo seria formado a partir da frase “Espero que você venha”:

Oh! Jardineira, por que está tão triste? / Mas o que foi que lhe aconteceu? / Foi a camélia que caiu do galho, / Deu dois suspiros e depois morreu. / Venha, jardineira! Venha, meu amor! / Não fique triste que este mundo é todo seu. / Você é muito mais bonita / Que a camélia que morreu.”