Mandei-os sair! – Gramática On-line
Paraolímpico, parolímpico ou paralímpico?
7 de julho de 2014
Não assisti ao jogo.
7 de julho de 2014

Mandei-os sair!

 

O estudo do infinitivo na Língua Portuguesa é bastante complexo, já que, em alguns casos, ele deve ser flexionado, em outros, pode ser flexionado, e em outros ainda não se flexiona. Será denominado flexionado quando possuir desinência verbal, que são as seguintes:

-es: Era para tu cantares;

-mos: Era para nós cantarmos;

-des: Era para vós cantardes;

-em: Era para eles cantarem.

A primeira e a terceira pessoas do singular (eu, ele, ela) são representadas pelo infinitivo não flexionado:

– Era para eu cantar;

– Era para ele cantar.

Infinitivo Flexionado: Usa-se o infinitivo flexionado nos seguintes casos:

1- Quando surgir um pronome ou um substantivo escrito na mesma oração do verbo, funcionando como sujeito dele:

– Não é necessário vocês chegarem mais cedo.

O sujeito do verbo “chegar” está claro: “vocês”.

Obs.: Mesmo não sendo claro o sujeito, pode-se flexionar o infinitivo: (A flexão deixa a frase mais elegante):

– Não é necessário chegarem mais cedo.

(O sujeito não está escrito na oração, mas torna-se claro que a ação é direcionada a mais de um elemento: “vocês”).

2- Quando o sujeito do verbo no infinitivo for diferente do sujeito do verbo da outra oração, flexiona-se o infinitivo:

– Vejo estarem atrasados mais uma vez.

O sujeito de “estar” (vocês) é diferente do sujeito do verbo da outra oração: “eu”.

Obs.1: Se o sujeito do verbo no infinitivo for o mesmo do verbo da outra oração, a flexão do infinitivo não é necessária. Não é, porém, proibida:

– Nós nos reuniremos com eles para apresentar (ou apresentarmos) o projeto.

O sujeito de ambos os verbos (reunir e apresentar) é o mesmo: “nós”.

Obs.2: Quando o infinitivo estiver depois da preposição “a”, é o caso mais polêmico, pois há gramáticos que admitem a flexão do infinitivo e há gramáticos que não a admitem. O mais recomendável é aceitar ambos os casos, ou seja, quando o infinitivo estiver depois da preposição “a”, usa-se tanto o infinitivo flexionado quanto o não flexionado:

– O rapaz ajudava as garotas a superar (ou superarem) suas dificuldades em Matemática.

A única exceção ocorre quando a oração estiver na voz passiva (com o sujeito sofrendo a ação verbal): nesse caso, o infinitivo será obrigatoriamente flexionado:

– Essas são as tarefas a serem feitas.

A oração está na voz passiva, pois o sujeito tarefas sofre a ação de fazer.

Infinitivo não flexionado:

Usa-se o infinitivo não flexionado nos seguintes casos:

1- Como verbo principal de locução verbal, usa-se o infinitivo não flexionado:

– Os alunos podem sair mais cedo hoje.

O verbo “sair” é o principal da locução verbal “podem sair”.

2- Sujeito acusativo: Quando o verbo da oração principal for fazer, mandar, deixar, ver, sentir, ouvir e o complemento desse verbo for uma oração cujo verbo esteja no infinitivo ou no gerúndio, chamamos o sujeito do infinitivo de sujeito acusativo.

Se o sujeito acusativo for um pronome oblíquo átono (me, te, se, o, a, nos, vos, os, as) ou um substantivo singular, usa-se o infinitivo não flexionado:

– Mandei o garoto sair de lá.
– Mandei-o sair de lá.
– Mandei-os sair de lá.

Obs.: Se o sujeito acusativo for um substantivo plural, pode-se usar tanto o infinitivo flexionado quanto o não flexionado:

– Mandei os garotos sair (ou saírem) de lá.

3- Quando o infinitivo não se referir a sujeito algum, será não flexionado:

– “Navegar é preciso; viver não é preciso”.

4- Quando, após adjetivo, preceder o infinitivo de preposição, será não flexionado:

– São casos difíceis de solucionar.

Depois do adjetivo difíceis há a preposição de; o verbo solucionar, que está no infinitivo, não pode ser flexionado.

5- Quando der ao infinitivo valor de imperativo (ordem, pedido, conselho, apelo), ele será não flexionado:

– Soldados, recuar!