Os funcionários com os quais conversei são os líderes do movimento grevista. – Gramática On-line
Te ligo mais tarde!
25 de março de 2014
Alguns casos especiais de concordância verbal
25 de março de 2014

Os funcionários com os quais conversei são os líderes do movimento grevista.

Eis um exemplo de frase que traz dificuldades aos estudantes brasileiros. O uso dos pronomes relativos (que, quem, qual, onde, quanto e cujo) é extremamente problemático, pois o período deve ser montado, estruturado com o raciocínio.

Comecemos com o pronome “cujo”: só poderá ser usado quando houver indicação de posse: algo de alguém = alguém cujo algo. Por exemplo: – O pai do aluno = o aluno cujo pai; agora, monta-se um período:

O aluno foi aprovado em Medicina.
– O pai do aluno é o prefeito da cidade.

Unindo-se tudo em um só período:

O aluno cujo pai é o prefeito da cidade foi aprovado em Medicina.

Se o verbo posterior ao pronome exigir preposição, referente ao elemento possuído, ela deverá ser colocada antes do pronome. Por exemplo:

O garoto esteve aqui.
– Eu me referi ao pai do garoto.

Unindo-se tudo:

O garoto a cujo pai me referi esteve aqui.

Mais um detalhe: não se coloca artigo depois do pronome cujo (cujo o, cujo a…), pois ele já está incluso no próprio pronome:

O garoto cuja mãe viajou esteve aqui.
– O garoto cujos irmãos viajaram esteve aqui.

O pronome “quem” só deve ser usado para pessoas sem a indicação de posse, não pode ser sujeito de verbo algum e, quando houver elemento antecedente, não poderá ser usado sem preposição, mesmo que o verbo não a exija; nesse caso, usa-se a preposição “a”. Por exemplo:

Eu encontrei o garoto.
– Você se referiu ao garoto.

Não há indicação de posse, garoto é pessoa e o verbo referir-se exige a preposição “a”. Unindo-se as frases:

Eu encontrei o garoto a quem você se referiu.

Observe, agora, este exemplo:

Ele ama a garota.
– A garota o traiu.

O verbo amar não exige preposição alguma. Se o pronome “quem” for usado, deve ser antecedido da preposição a:

A garota a quem ele ama traiu-o.

Outro exemplo:

As meninas ganharam a medalha.
– As meninas são brasileiras.

Não se pode usar o pronome “quem”, e sim o pronome “que”, pois meninas é o sujeito de ganhar:

As meninas que ganharam a medalha são brasileiras.

O pronome relativo “que” pode ser usado tanto para pessoas quanto para coisas, com ou sem preposição, sem a indicação de posse. Por exemplo:

Eu encontrei o garoto a que você se referiu.

Outro exemplo:

Comprei o computador.
– Você queria o computador.

Não há indicação de posse, computador não é pessoa e o verbo querer não exige preposição. Unindo-se as frases:

Comprei o computador que você queria.

Mais um exemplo:

O carro é importado.
– Fala-se tanto do carro.

O verbo falar exige a preposição “de”. Unindo-se tudo:

O carro de que tanto se fala é importado.

Já na frase escrita anteriormente A garota a quem ele ama traiu-o, o pronome quem pode ser substituído por que, sem a preposição: A garota que ele ama traiu-o, pois trair não exige preposição alguma.

O pronome “qual” tem de ser usado com artigo (o qual, a qual, os quais, as quais) e é pronome substitutivo de “quem” e “que. O artigo anterior ao pronome concorda com o elemento antecedente. Se houver preposição e ela tiver duas ou mais sílabas, ou se for a preposição “sem”, usa-se apenas “qual”, e não “quem” ou “que”. Por exemplo:

A garota a qual ele ama traiu-o.
– Eu encontrei o garoto ao qual você se referiu.
– Comprei o computador o qual você queria.
– O carro do qual tanto se fala é importado.
– As meninas as quais ganharam a medalha são brasileiras.

Agora veja este exemplo:

Fui à praia.
– Você falou sobre a praia.

O verbo exige preposição de duas sílabas (sobre); deve-se usar “a qual”, e não “que”:

Fui à praia sobre a qual você falou.

Outro exemplo:

Teté é a pessoa sem a qual não vivo em paz.

Usa-se a qual por estar antecedido da preposição sem.

O pronome “onde” só indica lugar e é usado onde puder utilizar “em que”. Se a indicação for “a que”, usa-se “aonde”; se for “de que”, usa-se “donde” ou “de onde”. Por exemplo:

A empresa onde trabalho é aquela aonde você foi à procura de emprego e donde ela foi demitida.

O pronome “quanto” só poderá ser usado após as palavras “tudo”, “todos” ou “todas”:

Traga tudo quanto quiser trazer.
– Coma todos os sanduíches quanto conseguir comer.

Voltemos agora à frase apresentada no início do texto: Não há indicação de posse, portanto não se usa “cujo”; funcionários são pessoas, então poderemos usar “quem”, “que” ou “os quais”: o verbo “conversar” exige a preposição “com” (Quem conversa, conversa com alguém). Haverá, portanto as seguintes possibilidades:

 

– Os funcionários da empresa com que conversei ontem são os líderes do movimento grevista.
– Os funcionários da empresa com quem conversei ontem são os líderes do movimento grevista.
– Os funcionários da empresa com os quais conversei ontem são os líderes do movimento grevista.